fbpx
R

Alterando a experiência
do comprador com AR

Como as marcas estão deliciando, surpreendendo e atendendo consumidores em toda a experiência de varejo, escreve Glenn Madigan, diretor de arte da Arc Senior

À medida que os varejistas buscam maneiras de revolucionar as lojas físicas, as marcas estão usando a realidade aumentada (AR) para quebrar o molde e romper esses limites físicos. Desde experiências imersivas na loja até a apresentação de showrooms em seu smartphone, o AR oferece às marcas novas formas de aparecer em toda a jornada do comprador.

Embora o AR tenha sido um conto de fadas futurista, no qual a tecnologia não era acessível nem acessível, empresas como a Magic Leap e a Snap Inc. alteraram essa realidade. O Snapchat rapidamente se tornou a plataforma para jogar com filtros de mapeamento facial, cachorros-quentes dançando e, mais tarde, um playground Bitmoji para o seu avatar. Agora, outras plataformas e aplicativos como o Facebook / Instagram, Snaappy e Pokémon Go têm maneiras de transformar seu mundo.

Isso fez com que a população em geral (especialmente as Gerações Y e Z) se sentisse mais à vontade para interagir com AR de novas maneiras. Para as marcas, isso significa que elas têm a oportunidade de trazer mais dimensão aos seus produtos, serviços e espaços de varejo de maneiras que as expressões digitais / móveis anteriores não conseguiam.

A DC, por exemplo, ofereceu conteúdo AR exclusivo para os compradores do Walmart no ano passado para o lançamento teatral da “Liga da Justiça” da Warner Bros. Os compradores puderam encontrar o filme em lojas selecionadas para desbloquear conteúdo de vídeo e uma foto virtual com os super-heróis. através de seus telefones. Neste caso, o AR serve como um driver de tráfego útil para o armazenamento, que oferece uma experiência oferecida em nenhum outro lugar.

Além dos displays nas lojas, o AR pode se tornar uma adição impressionante à embalagem, conforme encontrado nos rótulos da marca de vinhos australiana 19 Crimes. Uma série de garrafas apresenta o mugshot de um criminoso diferente. Quando emparelhados com o aplicativo, os mugshots ganham vida para compartilhar uma versão animada de seu crime e punição. Este uso do AR não só oferece uma nova maneira de interagir com o vinho para os legalistas da marca, mas também incentiva outros compradores a pegar uma garrafa e compartilhar com os amigos (um truque de festa do qual este autor certamente é culpado).

Além de qualquer valor de entretenimento, o AR também pode servir uma marca de maneiras mais funcionais. Considere o “Ikea Place”, um aplicativo que oferece a você a chance de selecionar e colocar virtualmente móveis Ikea em sua casa antes de se aventurar no depósito. O aplicativo, desenvolvido com o Kit de ferramentas de desenvolvedor ARKit da Apple, permite que os compradores explorem diferentes peças em sua casa com representações precisas de tecido, iluminação e escala.

Em 2018, as marcas têm a oportunidade de surpreender, encantar e atender os clientes de maneiras criativas através do AR – trazendo ao público formas de ponta para desbloquear conteúdo exclusivo, animar embalagens antes estáticas e aparecer virtualmente em qualquer lugar de um mundo ativado por AR.

Compartilhe!

Deixe um comentário